segunda-feira, 19 de abril de 2010

Quando.

Eram passos escuros
Como se eram sombras
Haviam dentes
Havia dentição
e mordedura

Eram os olhos rubros
Era outra era
Agora
Havia fome vera, engolidora

Quando eu

Não se era então
Dever, devorar
Não se pensava então
O que não se pensa não se come

Comer, mastigar

Era.

Havia riso.
Era tudo muito doce e muito

Preso

Era tudo vôo, mas.

Mas:
Onde não há caça não há presa
Onde não há presa não há terra
Onde não há terra não se explora
Onde não se explora não se.

Tudo vôo só céu.

Acho

Um beijo
Havia presas, sangue dos lábios
Um sonho é como ser tudo
Ter-poder
tudo.

Quando.
Um rosnado de fome
De vitória
De raiva antecipação
Fulva
Ígnea.

"Esta é a minha presa."

Quando:
Próximo
Concienciosamente
Toca
Um...

R

2 comentários:

Yuri disse...

Gostei desse poema...

Lobz Wolblood disse...

ler o fim deste poema tanto tempo depois me deu uma certa vontade de gargalhar...