domingo, 18 de abril de 2010

Desejos horrivelmente objetivos

Ontem eu estava conversando com o Ugo sobre como eu basicamente uso minha inteligência a serviço de metas estipuladas pelas minhas emoções e intuições. Inclusive, se eu não consigo sentir qual a opção certa eu tendo a não fazer nenhuma opção. É terrível. Em geral eu faço muita bobagem porque meus desejos são incrivelmente confusos e contraditórios e eu ora vou para um lado, ora para o outro. Ultimamente tenho sofrido de um outro mal:

Meus desejos estão se tornando terrivelmente objetivos. Eles não se contradizem mais, na verdade eles sequer se interagem. Estão virando obcessões, daquelas bem feias. Há coisas nas quais eu não consigo parar de pensar. Coisas e pessoas. E há limitações por todos os lados que não me permitem descobrir como saciar esses desejos, nem como me livrar deles.

Me sinto uma idiota. E uma idiota sem muita dignidade, inclusive. Daqui a pouco vou perder toda a discrição também.

Que merda. Preciso de uns amigos, umas amigas, talvez uma caipirinha, umas risadas.

2 comentários:

Bruno K disse...

estou livre pra escutar ou opinar. ou pra beber caipirinha. queria que você soubesse que pdoe contar comigo.

Tito Peçanha Leitão disse...

duas palavras mágicas:
desocupação
despreocupação

é assim pelo menos que eu lido com meus sentimentos contraditórios e com minhas obsessões (que não sou poucas).
desocupação significa geralmente dedicação despreocupada a uma atividade criativa (desenhar, andar de bicilceta, ir ao cinema, ler um romance inútil, escrever no blog).

também estou aberto para drinks e conversas.