quinta-feira, 11 de março de 2010

Vegetarianismo?

Hoje, eram cinco horas, aquela hora em que meu corpo começa a ficar incomodado com a falta de algo pra digerir, fui na cozinha e peguei um pedaço de frango. Aquilo tava gostoso e resolvi pegar mais um pedaço só pelo prazer. Enquanto me acomodava para ler enquanto comia, pensei:

— Estou comendo os músculos de uma galinha.

Galinha como? Penuda, branca, ciscando, aquele olhar arregalado de dinossauro, crista, garras, vôos curtos, voz estridente. Imaginei galinha na minha mente, chocando, ciscando, andando, gritando. Estava comendo um pedaço de galinha. Me imaginei arrancando um bife da galinha, e o fritando e o comendo. Porra.

De repente me pareceu idiota comer carne só porque eu tô com gula. Quando você está com fome, poucas coisas são tão gloriosas quanto a carne, e a carne realmente é saudável, e meu corpo às vezes clama por ela. Mas comer só porque sim? Comer outro animal só porque o gosto é bom? Eu não mataria uma galinha por alguns minutos de prazer, não se esse prazer não fosse glorioso o suficiente para dar sentido à minha vida.

O frango pareceu totalmente sem gosto de repente. Eu podia sentir que ele ainda tinha o sabor agradável, mas eu me senti mal por estar comendo. Mesmo assim, sem poder devolvê-lo à geladeira, comi até o fim.

2 comentários:

Tito Peçanha Leitão disse...

"olhar arregalado de dinossauro"

mas que descrição extraordinária!

Sacha Kontic disse...

Texto digno de um Cortázar. Muito bom.