sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Mimese

Por todas as mesmas coisas que me fizeram te amar, eu te odiei. Eu te odiei em segredo por muito tempo, com mêdo de você não entender que eu precisava te odiar. Eu te odiei por cada uma de suas qualidades. Eu te odiei por sua força, por suas convicções em todas as questões em que eu tinha dúvidas. Eu te odiei pela sua sagacidade, pela sua inteligência. Eu odiei cada frase brilhante, cada piada, cada vez que você fazia um amigo. Eu odiei todos os seus talentos, eu odiei cada instante de prazer que eles te deram. Eu odiei cada um dos seus sorrisos. Cada vez que você se empolgava com algo eu sentia raiva; cada vez que você criava algo lindo eu sentia dor. Eu odiei você, por cada momento bom que passamos juntos eu odiei você, sem nunca te dizer nada. Eu odiei cada sorriso que você me arrancava, cada convite que você me fazia. Eu odiei em segredo, mas intensamente, misturando o ódio com o amor, misturando momentos de horror com momentos de êxtase, confundindo num só sentimento faminto o desespero e a felicidade. Eu odiei o seu prazer, eu odiei o seu amor, eu odiei a minha imagem nos seus olhos, eu odiei te ver nos olhos deles. Cada vez que meu coração inchava de orgulho por você outra parte de mim vomitava o ódio por cada uma das suas vitórias. Eu odiei você por tudo o que você fez de bom. Eu odiei você por ter me salvado, eu odiei a felicidade que você me trouxe. Eu odiei você por ter tido que me trazer a felicidade, por tê-la me oferecido, por não ter me privado dela, me obrigado a conquistá-la. Eu odiei você por ter me dado forças sem me tornar forte, por ter me dado vitórias sem me tornar vencedora! Eu odiei você, acima de tudo, por ter me dado a felicidade sem me dar junto o orgulho.

2 comentários:

Tito Peçanha Leitão disse...

uma declaração de amor estranhamente bonita, especialmente por que não se resume a uma declaração de amor.

Utak disse...

o.o