sábado, 12 de junho de 2010

Beco

Tanta coisa que passou pra mim e entretanto eu não disse nada. Eu me contive tanto, eu me contenho tanto o tempo todo, porque tenho mêdo, medo de passar a mão nos seus cabelos, medo de ter coragem de perder os limites com você, porque eu gosto de você e acho que talvez seja só por que convivo tanto com gente que te ama, mas acho que gosto de verdade de você e você nem sabe, nem eu sei. Medo de te pedir pra me aceitar. Medo da dor sem sentido que eu sinto quando penso em te perder, eu que nunca te tive. Justamente porque eu nunca te tive eu tenho medo.

Mêdo do seu olhar quando eu te olhei fixamente, eu precisava te ver, era aquele o meu espetáculo, quando você olhou de volta eu não cheguei a saber o que foi a sua expressão, você entendeu, mas entendeu tudo, entendeu o que eu queria dizer e o que eu queria saber? Eu queria te conhecer menos mal para conseguir ler o seu olhar. Por que você me apavora tanto, e por que tanto me fascina? Por que eu quero saber você, e por que eu sempre te obedeço?

Será só por que eu te vejo através dos olhares dos nossos homens?

Um comentário:

Tito Peçanha Leitão disse...

ah, interlocutores indefinidos! rsrsrs